A+ A-
Artigos

Nos últimos meses, temos presenciado o crescimento de uma crise mundial com efeitos diretos nas áreas da saúde pública e economia global, decorrentes do novo coronavírus, que vêm exponencialmente infectando cada vez mais novos pacientes. Por isso, é importante entendermos quais são as formas de transmissão, os sintomas e o que podemos fazer para nos prevenir contra o vírus, para podermos contribuir não só com a segurança daqueles que amamos, mas também com a sociedade como um todo.

As formas de transmissão do vírus podem acontecer por meio de gotículas de saliva, tosse, espirro ou fala, pelo contato físico com indivíduos contaminados, ou pelo contato com superfícies não higienizadas. O tempo que o vírus permanece vivo no ar e nas superfícies depende de variáveis como o clima e a umidade do ambiente, que podem variar entre horas e até mesmo dias.

Os sintomas mais comuns são: coriza, tosse, febre (acima de 37º), dor de garganta e dificuldade para respirar. O grande perigo é que o vírus pode causar também infecções das vias respiratórias como, por exemplo, a pneumonia. Estes quadros clínicos são mais comuns em pessoas que estão dentro do chamado “grupo de risco”, que inclui idosos, pessoas com doenças respiratórias crônicas ou com o sistema imunológico comprometido, entre outros. O período de incubação do vírus varia entre 2 e 14 dias desde a contaminação.

Para se prevenir do vírus existem algumas recomendações de higiene e preocupação que devem ser seguidas para minimizar as chances de contágio:

1. Higienize bem as mãos com frequência. É importante lavar as mãos frequentemente, com água e sabão ou, caso não consiga, com álcool em gel 70%, principalmente após interagir com outras pessoas, frequentar locais públicos, tossir ou espirrar.

2. Evite colocar as mãos nos olhos, nariz e boca. Nosso rosto pode ser porta de entrada para o vírus. Sendo assim, sempre evite tocar o rosto e higienize bem as mãos. 

3. Evite o contato físico ao cumprimentar as pessoas. Cumprimentar, abraçar ou beijar pessoas contaminadas são formas de transmitir o vírus, então, a recomendação é a de optar por formas de se cumprimentar a distância. Além disso, é recomendado também manter a distância de pelo menos um metro de pessoas que estejam espirrando ou tossindo.

4. Antes de tossir ou espirrar, cubra o nariz e a boca com a parte interna do cotovelo. Como forma de evitar a difusão do vírus, é importante não utilizar as mãos para cobrir o nariz ou a boca ao tossir ou espirrar. Assim, você reduz o risco de contaminar objetos de uso compartilhado.

5. Evite aglomerações e locais fechados. A transmissão do vírus acontece pelo ar e pelo contato físico, por isso, frequentar lugares com muitas pessoas, especialmente ambientes fechados, não é o ideal.

6. Higienize objetos pessoais com álcool frequentemente. Objetos de uso compartilhado podem ser contaminados com o vírus. Por isso, é importante higienizá-los a todo o momento.

7. Caso apresente algum sintoma, é recomendada a utilização de máscara. Para aqueles que apresentam os sintomas do vírus, o uso de máscara deve ser adotado, pois ajuda a proteger as pessoas ao redor do paciente.

8. Mantenha-se informado e sempre procure pela fonte das notícias. Hoje a propagação de informações falsas sobre a transmissão e a prevenção do vírus são grandes. Antes de consumir ou compartilhar notícias, sempre verifique a sua procedência. Preze pela qualidade das informações.

Sobre a autora:

Talita Almeida e médica e trabalha com Gestão de Saúde Corporativa e atualmente é Gerente Departamental de Recursos Humanos do Bradesco. Ela é formada pela Faculdade de Ciências Médicas de Santos, especialista em Medicina do Trabalho pela Santa Casa de São Paulo, especialista em Medicina Legal pela Universidade de São Paulo e possui MBA de Gestão em Saúde pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).