A+ A-
Destaques

Os ganhos de se cercar de diversidade

Todo mundo sabe que, quando líderes aprendem a buscar e reunir sugestões e considerar opções de uma ampla gama de cabeças e perspectivas, eles ficam mais aptos a perceber sinais de alerta antecipadamente e a agir com melhores soluções.

 

Para Bob Priest-Heck, CEO da Freeman, bons líderes precisam de pessoas melhores do que eles no trabalho e, para isso, devem se cercar de diversidade de talentos e ideias nos termos mais amplos possíveis. “Se líderes não buscam, intencionalmente, uma rica e ampla gama de perspectivas diversas, todos podem ser vítimas de sua própria atitude limitante. E isso é fatal”, diz.

 

Para estimular líderes a se cercar mais de diversidade, Priest-Heck dá as seguintes dicas:

 

Busque dentro da organização. Grandes reuniões de colaboradores para lançar novas iniciativas são ótimas, mas tente sentar na cafeteria com algumas pessoas da Contabilidade ou da área de Logística. Procure pessoas que trabalhem bem com as mãos e com o cérebro. E da próxima vez que estiver visitando uma operação de campo,  fique aberto para experimentar a rotina de quem entra em contato direto com o cliente.

 

Busque fora da empresa. É possível trabalhar com consultores para identificar possíveis problemas ou riscos. Mentores da empresa, que orientam talentos em ascensão, também podem dar bons feedbacks vitais em momentos de decisão críticos. E em relacionamentos saudáveis com parceiros, um fornecedor confiável pode desempenhar essa função, porque conhece a operação de negócios do cliente e os principais desafios e tendências do setor.

 

Seja aberto a maneiras alternativas. Diversidade também significa ouvir pessoas de várias origens, que têm experiências diferentes de vida ou de carreira ou que adotam maneiras alternativas de resolver um problema. Também vale procurar pessoas que processem informações e ideias de maneira diferente. Há uma tendência crescente nas empresas de contratar e cultivar talentos com condições neurológicas atípicas (neurodiversas), que conseguem processar experiências e informações com novas “lentes”, ajudando a ver aspectos escondidos para os outros.

  

Fonte: Entrepreneur